BLOG


Assistentes de voz vão revolucionar o varejo nos próximos três anos

Os assistentes de voz se tornarão a forma dominante de interação entre varejistas e consumidores nos próximos 3 anos. Pesquisa divulgada pelo Instituto de Transformação Digital da Capgemini, revela que, neste período, os clientes que utilizarem a tecnologia estarão dispostos a gastar 500% a mais do que atualmente com este modo de interação.

Intitulado "Conversational Commerce: Why Consumers Are Embracing Voice Assistants in Their Lives," (em livre tradução, "Comércio Conversacional: por que os Consumidores Estão Inserindo Assistentes de Voz em Suas Vidas"), o estudo revela a maneira como os consumidores estão usando dispositivos de assistentes de voz e, ainda, as oportunidades que este comportamento traz para as empresas se conectarem com seus clientes.

O estudo, que ouviu mais de 5 mil consumidores nos Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha, identificou que os consumidores estão desenvolvendo uma forte preferência pela interação com as empresas usando assistentes de voz.

Algo como 24% dos entrevistados prefere usar um assistente a um website. Este mesmo contingente deve saltar para 40% nos próximos 3 anos, enquanto 31% dos entrevistados acredita que, nesse período, dará preferência a interação com assistentes de voz no lugar de visitar pessoalmente uma loja ou uma agência bancária – comparado com os atuais 20%.

Os usuários de assistentes de voz gastam 3% do total de seu tíquete de consumo em compras realizadas por meio da tecnologia, número que deve aumentar para 18% nos próximos 3 anos, reduzindo-se a participação de lojas físicas (45%) e sites (37%).

Enquanto a transmissão de músicas e a busca por informações continuam a ser os usos mais populares para os assistentes de voz, 35% dos entrevistados também afirmou fazer compras de produtos, tais como alimentos, artigos para o lar e de vestuário. E, apesar de 28% dos usuários já terem utilizado a tecnologia de voz para pagamentos ou para transferir dinheiro, 44% deles têm interesse em a utilizar para transações bancárias, de acordo com a maior disponibilidade de atendentes remotos inteligentes habilitando funções como pagamentos de cartão de crédito via voz.

Os consumidores que utilizam assistentes de voz veem a experiência como extremamente positiva, com 71% deles satisfeitos com a utilização da tecnologia. Com 52% dos usuários apontando aspectos como conveniência, a capacidade de ter as mãos livres para fazer outras coisas (48%) e a automação das tarefas de compras rotineiras (41%) como as principais razões pelas quais preferem usar assistentes de voz em aplicativos e sites móveis.

No entanto, a capacidade dos dispositivos entenderem seu usuário humano ainda é considerada crítica: 81% dos compradores esperam que a modalidade compreenda mais claramente sua dicção e sotaque. O relatório também revelou que os assistentes são mais populares entre os consumidores na faixa etária dos 33 aos 45 anos e que quase 1 em cada 5 (algo como 17% deles) dispõe de um rendimento familiar anual (antes de impostos) de mais de US$ 100 mil.

As marcas que forem capazes de fornecer boas experiências com assistentes de voz gerarão mais negócios e terão uma reputação positiva por meio da comunicação boca-a-boca. O relatório descobriu que 37% dos usuários de assistentes compartilhariam uma experiência positiva com seus amigos e familiares e que até 28% dos não-usuários atuais gostariam de utilizar com mais frequência uma marca depois de vivenciarem uma experiência positiva. Isso equivale a um sério aumento financeiro potencial, uma vez que os consumidores estão dispostos a gastar 5% a mais com uma marca depois de terem uma boa experiência com um assistente.

Fonte: http://tiinside.com.br/tiinside