Como reduzir ou eliminar os riscos de ataques em meu negócio?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Como reduzir ou eliminar os riscos de ataques nas empresas

A abordagem de segurança, em muitos casos, ainda é colocada na rubrica dos gastos não produtivos. O que não deixa de ser verdade numa perspectiva literal, já que o negócio-fim, em geral, é realmente outro.

Por que algumas empresas ainda resistem na ideia de terceirizar as políticas e a execução da segurança para uma central especializada de alto nível, o SOC (Security Operation Center)?

Isto muda na nova sociedade digital, na economia movida a APIs e nos modelos negócios customer-centric. Nesse cenário, a ofertas de melhor experiência para o cliente e melhor jornada dos operadores internos assumem papel central na estratégia competitiva.

Ao mesmo tempo, a agilidade para ajustes no canal, voltados para a entrega de aplicações e serviços em cima das demandas dinâmicas, se torna também um fator decisivo.

Nesse sentido, a questão da segurança ganha novos motivadores, ou justificativas de investimentos. Isto porque as ofertas omnichannel de atendimento, e soluções de baixo atrito para a condução do cliente, ao longo de um funil lógico e confortável, são fatores cruciais na atração e conversão de prospects e suspects em clientes finais.

Possuir grande aversão ao risco sistêmico, e evitar este risco a todo custo, através de mínima exposição a incidentes, talvez seja uma abordagem excessivamente acanhada, restritiva e limitadora para o negócio.

Qual a importância da prevenção de ataques?

A nova dimensão da segurança está associada, hoje em dia, à agilidade, à modernidade do negócio, à reputação da marca e à eficiência das equipes de vendas, marketing, produtos, RH, finanças, jurídico e produção.

Entregar toda essa problemática para uma equipe interna de TI, por mais bem preparada que ela seja, pode drenar parte considerável da inteligência operacional e estratégica para o enfrentamento de ameaças cibernéticas, vulnerabilidades sistêmicas, compliance, correção de condutas humanas e cuidados com a parafernália física e lógica da rede.

É continuar não entendendo o investimento em segurança numa perspectiva de OPEX, associada à geração de oportunidades de negócios.

Com a manutenção de estruturas muitas vezes caseiras, ou equipes internas, para a estratégia de segurança, é possível que as empresas consigam, com muito esforço, dar conta de responder às ameaças cibernéticas e os desafios internos.

O crescente risco de ameaças e ataques cibernéticos.

Só no primeiro semestre de 2021, as empresas brasileiras sofreram 3,2 bilhões de ataques online. Ataques que puseram em risco não só a continuidade dos negócios, mas também a manutenção da base de clientes, os segredos industriais, a base financeira, o market-share, os serviços públicos essenciais e até a vida de pessoas, uma vez que hospitais e utilities também estiveram no foco.

Esses ataques refletem não só uma tendência perene, mas acompanham o crescimento exponencial da atividade hacker desde o início da pandemia.

Com o teletrabalho e a virtualização crescentes, assumir e enfrentar o risco sistêmico tornou-se parte indissociável das operações. As redes intensificaram o emprego de dispositivos desprotegidos de usuários finais, como notebooks, roteadores domésticos, smartphones e até impressoras caseiras conectadas indiretamente às empresas.

Soma-se a tudo isto, a proliferação de identidades de bots, muito difíceis de gerenciar, e de dispositivos IoT na infraestrutura empresarial. E mais a expansão desenfreada da Shadow IT, causada por aplicações, arquivos e novos serviços online acessados pelo end-user.

O SOC é uma alternativa para eliminar riscos de ataque.

Vamos ver agora alguns aspectos sobre como o SOC – Security Operation Center pode responder a alguns pontos importantes nesse contexto.

  • Monitoramento em tempo real – Análise online do fluxo de acessos e eventos na infraestrutura compreendendo toda a superfície de risco.
  • Disponibilidade – Dados prontamente entregues a pessoas ou aplicações de negócio, de acordo com determinações das políticas de segurança e acesso do usuário.
  • Ponto único de atenção – Evitando esforços redundantes que possam comprometer a capacidade de vigilância e gerenciamento por parte das equipes e eliminando pontos de dispersão da política de segurança.
  • Leis & Marcos Regulatórios – Os processos precisam ser regulados de acordo com regras de negócio e em conformidade com leis e normas de compliance, como LGPD, SOX, KyC etc, de preferência com o emprego de modelos automáticos, visando a diminuição das fases de checagens e carimbos protelatórios para favorecer ao desempenho.
  • Monitoramento preventivo – Soluções de inteligência artificial e aprendizado de máquina mantêm a vigilância dos padrões dos eventos e a avaliação preditiva de ameaças e riscos segundo o contexto sistemático e do workflow.
  • Awareness – Monitoramento e vigilância non-stop – 24x7x365 – dos ativos críticos da rede em todas as dimensões físicas e lógicas.
  • Melhores práticas – Baseadas nas mais rigorosas certificações da indústria; além de equipes certificadas pelos maiores fabricantes e organismos governamentais ou independentes.
  • Métricas e SLA – Permitindo a avaliação permanente dos serviços e enquadramento do ROI, escalabilidade planejada, maturidade de orçamentos, continuidade de serviços e melhoria contínua dos serviços de segurança.

Esperamos que esse conteúdo tenha te ajudado a entender uma pouco mais sobre como reduzir os riscos de ataques cibernéticos em seu negócio.

Continue vendo mais sobre como um SOC – Security Operation Center para monitoramento, detecção e reação a incidentes de cibersegurança pode evitar os ataques cibernéticos.

Um abraço e até a próxima!

Veja também