O Brasil na mira dos ataques cibernéticos, inclusive de Ransomware

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
O Brasil na mira dos ataques cibernéticos, inclusive de Ransomware

Atualmente, com a transformação digital constante sendo aplicada nos mais diversos setores do mercado, os ataques cibernéticos de todos os tipos também crescem exponencialmente.

Na América Latina, o Brasil é o país que mais sofre ataques cibernéticos.

Segundo uma pesquisa anual encomendada pela IBM sobre ameaças de cibersegurança, o Brasil é o país da América Latina que mais sofre com os ataques cibernéticos.

Dentre os diversos setores presentes no mercado, a manufatura foi o setor mais atacado em 2021, representando 20% dos ataques. Isto, ainda segundo o relatório, reflete uma tendência mundial entre os cibercriminosos até o mome nto.

Mais de 88 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos contra o Brasil em 2021.

Uma empresa parceira First Tech, a Fortinet, em um levantamento realizado recentemente, evidenciou que 88,5 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos foram executadas contra o Brasil, somente no ano de 2021.

O estudo mostrou que o número foi 950% maior quando comparado aos dados e estatísticas referentes ao ano de 2020.

De acordo com uma outra pesquisa realizada pelo Allianz Risk Barometer, 64% dos brasileiros veem os incidentes cibernéticos como principal fator de risco às empresas em 2022, esse número representava 47% em 2021.

Portanto, através dessas pesquisas, levantamentos e de constantes ataques sendo noticiados frequentemente, é possível notar o fato de que o Brasil é um alvo.

Grandes varejistas como Americanas e Submarino tiveram seus e-commerces fora do ar por suspeita de ataque hacker.

Os ataques parecem não ter dado trégua, mesmo com a virada do ano: já no início de 2022, os sites de e-commerce das Lojas Americanas e da Submarino (que pertencem à mesma holding) acabaram por ficar fora do ar durante alguns dias, e a suspeita era de um ataque hacker.

Ao tentar navegar no site, a mensagem dizia “paralisados por conta de um incidente de segurança”. Após a volta, a empresa dizia que estava disponibilizando produtos e funcionalidades de forma gradativa.

Não à toa, as perdas foram grandes: as ações do grupo registravam alta na Bovespa. Porém, após 2 dias de perdas seguidas, houve um prejuízo de R$ 3,4 bilhões, de acordo com a consultoria Economatica.

O Ransomware é a ameaça mais perigosa atualmente

De maneira geral, o Ransomware persistiu como o principal método de ataque observado em 2021, tanto globalmente quanto na América Latina, sendo responsável por 32% dos ataques no Brasil.

Em uma outra pesquisa, há a informação de que durante o primeiro semestre de 2021, a América Latina representou 21,58% do total global de ataques de ransomware, e o Brasil, mais uma vez, foi o país mais afetado.

Em relação ao mesmo período de 2020, o aumento foi de sonoros 856%.

O dado chega a ser assustador e emite um alerta de grande risco de ataques, o que pode prejudicar negócios em qualquer setor.

Como se proteger contra incidentes cibernéticos? 

Sabemos que os dados são um fator de grande importância para qualquer organização, por isso, adotar soluções para proteção de dados, onde o principal recurso seja a criptografia, o que torna ilegíveis os dados em exposição de roubos por ataques de Ransomware. 

Com a tecnologia, é possível descobrir, proteger e controlar dados sensíveis em qualquer lugar, e usar uma solução eficaz, que pode simplificar todos os processos de controle de segurança contra incidentes.

Esperamos que você tenha gostado do nosso conteúdo. Você pode falar com o nosso time a qualquer momento para tirar dúvidas. 

Um abraço e até a próxima!

Tokenização de Bandeira

Veja também

Conheça a trajetória da First Tech

Confira como a First Tech iniciou sua jornada no segmento de tecnologia e ampliou suas possibilidades, gerando oportunidades para centenas de parceiros.

Tokenização de Bandeira