Os riscos com o aumento de dispositivos conectados a Internet das Coisas (IoT)

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Os riscos com o aumento de dispositivos conectados a Internet das Coisas (IoT)

Possuindo inúmeras micro ramificações relacionadas à borda da rede, cada um dos dispositivos IoT já tem incluído dentro de si alguns sensores inteligentes, com o principal objetivo de captar dados orientados a sistemas analíticos, por exemplo.

Todos eles carregam, ainda, alguma capacidade de memória. No entanto, falando de maneira geral, os recursos ainda são considerados insuficientes para processar esquemas criptográficos ou aplicações de segurança mais complexas, algo que se agrava quando vemos o aumento dos tipos de ataques cibernéticos.

Isto porque, com a IoT, existe uma grande variedade de múltiplas conexões dentro dela, como cabos RFID, WiFi, satélite, entre outros. Isto, sem contar a constante exposição dos objetos conectados, já que eles podem ser alvos de ataques como acoplagem, sabotagem ou até mesmo grampeamento físico.

Ataques a estruturas IoT têm comprometido, por exemplo, desde sistemas residenciais de iluminação ambiental até computadores de bordo de tratores conectados à rede CAN. Seu controle é especialmente preocupante em aplicações de IIoT (Internet Industrial das Coisas), sistemas hospitalares, infraestrutura de utilities e em plataformas de cidades digitais, com altos impactos de segurança para o cidadão.

Uma lista de riscos relacionados à IoT

Alguns dos ataques hackers que podem gerar prejuízos enormes, causados pelo aumento de dispositivos conectados a Internet das Coisas (IoT):

Ataque físico: em uma subestação de energia distante, caixa de registro elétrico do edifício ou em qualquer ponto sensível da infraestrutura, é possível que se manipule uma chave ou se acople um dispositivo capaz de alterar, ou roubar, o conteúdo de dados coletados pela IoT. 

Roubo de identidade: credenciais fracas de usuário, credenciais órfãs e, principalmente, credenciais de privilégio são elementos valiosos e cobiçados pelos hackers para obterem controles sobre áreas críticas da IoT. 

Man-in-the-middle: são ataques em que um hacker consegue interceptar a conexão entre dois sistemas conectados, redirecionando e adulterando os dados para induzir as operações segundo seus interesses.

A solução: FortiNAC da Fortinet

Para a proteção digital de uma organização, seja qual for o porte dela, um controle de acesso à rede é essencial. Pensando nisso, existem alguns recursos que o FortiNAC da Fortinet pode oferecer:

  • Verificação sem Agente: detecte e identifique dispositivos sem periféricos conforme eles se conectam à rede;
  • Diversos métodos de criação de perfil: utilize mais de uma dezena de diferentes métodos de determinar a identidade de um dispositivo;
  • Integração Simplificada: automatize o processo de integração para um grande número de endpoints, usuários e convidados;
  • Microssegmentação: com os dispositivos identificados, o FortiNAC pode restringir estreitamente o acesso à rede para esses dispositivos apenas para os ativos de rede necessários;
  • Amplo Suporte a diversos fornecedores: interaja e configure dispositivos de rede (switches, pontos de acesso sem fio, firewalls, clientes) de mais de 150 fornecedores;
  • Escalabilidade: a arquitetura FortiNAC permite o dimensionamento eficaz para locais de vários locais e oferece suporte a milhões de dispositivos.

A First Tech é referência em implementações de projetos complexos e que necessitam de regulações e conformidade.

Para saber mais sobre o FortiNAC da Fortinet, fale com o nosso time!

Tokenização de Bandeira

Veja também

Conheça a trajetória da First Tech

Confira como a First Tech iniciou sua jornada no segmento de tecnologia e ampliou suas possibilidades, gerando oportunidades para centenas de parceiros.

Tokenização de Bandeira